Blogue da Krannich Solar

Blogue The Global PV Experts
Nova geração de baterias solares de lítio da BYD: características e vantagens face aos modelos anteriores

Nova geração de baterias solares de lítio da BYD: características e vantagens face aos modelos anteriores

O fabricante de baterias solares BYD é um dos pioneiros em oferecer soluções de acumulação de lítio para inúmeras aplicações, tais como mobilidade elétrica ou veículos industriais, entre outros. Neste ano de 2020, a empresa asiática lançou no mercado a sua nova geração de acumuladores de fosfato de ferro de lítio para aplicação em instalações fotovoltaicas, tanto de autoconsumo com ligação à rede, como sistemas isolados.

Com estes novos modelos a BYD pretende otimizar a qualidade que já caracterizava os seus modelos anteriores e aperfeiçoar determinados aspetos que por vezes podiam ser origem de dores de cabeça para os instaladores.

Os novos modelos distinguem-se dos anteriores nas seguintes nomenclaturas:

  • Battery Box Premium HVS/HVM
  • Battery Box Premium LVL
  • Battery Box Premium LVS

Entre as principais vantagens desta nova geração de baterias solares poderíamos destacar as seguintes:

  • Maior ergonomia destes modelos visto que se reduziu o tamanho dos acumuladores fotovoltaicos e aumentou-se a sua capacidade energética.
  • Melhor rendimento a baixas temperaturas.
  • Possibilidade de funcionamento off-grid em todos os modelos.
  • Extensão simples e ampliação para todos os modelos.
  • Indicador de LED do estado da bateria.
  • Interface de configuração simples e única para todos os modelos.

 

Diferenças técnicas entre os modelos HVS/HVM e LVS/LVM

Se tivéssemos de distinguir entre os vários modelos, deveríamos ter em conta, principalmente, a tensão de trabalho dos sistemas. Os modelos Premium HVS e HVM funcionam em intervalos de tensão entre 204 e 512 Volts em CC, o que nos garante soluções de acumulação mais seguras e com menos perdas na cablagem visto que a intensidade que percorre os circuitos é menor. Isto também nos ajuda a reduzir custos em secções dos condutores. A ligação entre módulos que pertençam a uma mesma torre é realizada em série, pelo que a adição de novos módulos também implica um aumento na tensão de funcionamento da bateria e que devemos ter em conta quando se pretende selecionar o inversor ao qual a queremos ligar.

Em suma, as capacidades de ampliação em modelos de alta voltagem seriam as seguintes:

  • Modelo HVS: capacidade de 5,1 a 38,4 kWh (2,56 kWh por módulo).
  • Modelo HVM: capacidade de 8,3 a 66,2 kWh (2,76 kWh por módulo).

 

Imagem 1. Ampliações possíveis com o modelo HVM/HVS

 

 

Por outro lado, os modelos LVS e LVM funcionam com uma tensão nominal fixa de 51,2 Volts e a ligação de diferentes módulos e torres é realizada em paralelo. Para o modelo LVS, as ampliações podem ser realizadas em módulos de 3,7 kWh, pelo que é a solução perfeita quando pretendemos aumentar gradualmente a capacidade do nosso sistema de baterias na instalação fotovoltaica.

  • Modelo LVS: capacidade de 3,8 a 245,8 kWh (3,8 kWh por módulo).

Imagem 2. Ampliações possíveis com o modelo LVS

 

 

Quando estamos a falar de soluções de acumulação de maior envergadura, e nas quais se pretende efetuar a escalabilidade de forma mais ampla, podemos utilizar os modelos da LVL de 15,4 kWh e ir aumentando com módulos equivalentes até um total de 64 unidades. Desta forma, podemos atingir acumulações próximas de 1 MWh. 

  • Modelo LVL: capacidade de 15,4 a 983 kWh (15,4 kWh por módulo)

Imagem 3. Ampliações possíveis com o modelo LVL

 

 

Aplicações para autoconsumo fotovoltaico ligado à rede e sistemas isolados com as baterias solares da BYD

Quando se pretende projetar um sistema fotovoltaico, é muito importante conhecer as compatibilidades entre diferentes marcas, tanto se se pretende desenvolver um projeto de autoconsumo com acumulação, como um sistema isolado da rede pública.

Embora haja algumas exceções, os modelos de "alta voltagem" costumam ser utilizados, principalmente, para instalações fotovoltaicas de autoconsumo ligadas à rede, utilizando inversores solares híbridos capazes de gerir tanto módulos fotovoltaicos, como baterias. Estes inversores permitem-nos gerir, na maioria dos casos, painéis fotovoltaicos e baterias num mesmo equipamento, o que permite unificar a solução com poucos componentes e otimizar a eficiência dos mesmos.

Os novos modelos da BYD, Premium HVS e HVM, são compatíveis com os principais fabricantes de inversores fotovoltaicos. É o caso, por exemplo, dos novos modelos Fronius Primo e Symo GEN24 do fabricante austríaco, os inversores Sunny Boy Storage da SMA e os equipamentos da Kostal Piko MP-PLUS e Plenticore Plus.

Além do mais, importa destacar que alguns destes modelos incluem uma saída EPS (Emergency Power System) pelo que, em caso de apagão na rede pública, poderíamos continuar a ter fornecimento na nossa vivenda graças à energia acumulada na bateria, visto que uma das vantagens das novas baterias HVS e HVM é a sua capacidade de poder funcionar em modo off-grid sem que isso comprometa a sua vida útil.

Relativamente às soluções de "baixa voltagem", os modelos LVS e LVL são compatíveis com inversores fotovoltaicos com tecnologia para aplicações off-grid, como os modelos Sunny Island da SMA ou a gama da Victron de 48 V. Ambos os fabricantes permitem-nos projetar desde pequenos sistemas isolados para vivendas, até instalações mini-grid trifásicas capazes de abastecer pequenas populações em locais nos quais a rede pública é um pouco mais difícil. A grande escalabilidade, tanto dos modelos LVS, como dos modelos LVL, facilita a viabilidade deste tipo de projetos, bem como a sua independência.

 

 

Uma evolução de acordo com as necessidades do setor

Em suma, podemos dizer que a gama de novas baterias solares da BYD entra em força no mercado para se destacar dos concorrentes no que se refere a soluções na tecnologia de lítio para instalações fotovoltaicas. O fabricante asiático conseguiu aperfeiçoar estes detalhes que limitavam a geração anterior, como a já comentada melhor eficiência e a redução de peso, aumentando assim a densidade energética dos módulos, a escalabilidade dos modelos de alta voltagem (que anteriormente não era possível) e a unificação do procedimento de colocação em funcionamento.

A sua vasta experiência neste tipo de tecnologia e o seu percurso já destacado no setor das energias renováveis garantem-nos um produto sólido e eficaz que chega para posicionar-se como a melhor solução a ter em conta quando queremos que o nosso sistema fotovoltaico seja o mais independente da rede. Desta forma, contribui-se para um modelo de consumo de energia sustentável e amigo do ambiente, contribuindo mais um pouco para a luta contra as alterações climáticas e a redução de modos de produção energéticos dependentes de combustíveis que provoquem uma grande quantidade de emissões contaminantes e com efeito estufa.

 

Autor: Jose Ortiz

 

15.06.2020 12:30
por José Ortiz

Go back